Total de visualizações de página

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Eu e o tiro na cabeça

Quem não tem vontade em alguns momentos de se dar um tiro na cabeça e acabar com tudo de uma vez?
Até a minha mãe me disse esses dias que não aguenta mais.....ela que enfrenta tudo e todos.
Eu, com meus 31 anos, tenho essa vontade hoje.
Não tenho armas....nem remédios suficiente.
A vontade passa: escute "The Bends" do Radiohead!
 É o que diz a razão;o coração só sente e pertuba.
Cada dia na minha vidinha ordinária é uma baita luta.
Estou descobrindo que não sou boa em nada.... não sirvo pra ser esposa, nem dona de casa, nem mãe.
Aliás, o meu filho já deixou bem claro: Mãe, você está em segundo lugar na minha vida.
Devo ter feito uma merda muito grande para ele pensar desse jeito.
Vai se revelando pra mim que a partir do momento que tento ser eu mesma ninguém me aguenta.
E a qualquer instante posso ficar só, de verdade.
Acho que a solidão seria o pior pesadelo.
Aí sim, daria um tiro na cabeça.
Ou não, descobriria a liberdade de ser eu mesma.
E me aceitar, talvez eu não tenha nascido pra ser um sujeito social.
Deve existir alguma teoria que aborda tal questão.
Do que adianta ter tudo isso se ao decorrer dos dias vou me aniquilando cada vez mais?
Qual o sentido então ?
Pra quê ter uma casa tão grande se em nenhum canto escuto a voz do Antônio?
Pra quê um carro novo se não tenho pra onde ir?
Pra quê tantos amigos no facebook se quando eu mais preciso não tenho ninguém?
Porque o meu melhor amigo foi morar na gringa?
Isso realmente não faz sentido....
Estou começando a entender: sejamos todos robôs.....máquinas, sem ideias, nem sentimentos.
Vamos todos nos tornar uma mesma massa.
Sem questionar, psiu....aqui é proibido ser diferente.
O governo pode fuder com a aposentadoria dos servidores públicos com as suas milhares de Emendas Constitucionais, e eles não podem sequer fazer greve ( não há e nunca haverá lei que regulamente tal direito).
Então qual é a finalidade de servir o interesse público se ele não está interessado em mim?
Ah, sim, temos um único interesse: Impostos!
Todos os meus escritos sentimentais acabam por se tornar escritos políticos.....
Não é à toa que eu sou eu mesma.

Um comentário:

Frederick Silva disse...

Tenha essa louca vontade de chutar literalmente o balde mas não vai ter ninguém a chorar ou sofrer e que legado vou deixar sou questões que me a prisona.